Empreendedorismo

Entenda a importância de uma formação empreendedora

entenda-a-importancia-de-uma-formacao-empreendedora.jpeg
Escrito por Ânima Educação

Empreender nunca foi uma tarefa fácil no Brasil, mas, apesar de todas a dificuldades, ainda é uma tendência crescente no país — inclusive em tempos de crise, quando o emprego formal perde espaço e faz com que os profissionais busquem alternativas. Na verdade, há uma série de fatores complicadores que, quando não são bem administrados, reduzem a competitividade e provocam até mesmo a mortalidade das pequenas e médias empresas.

Entre os principais estão os entraves burocráticos, a alta carga tributária, os encargos previstos na legislação trabalhista, a falta de incentivos para pesquisa e inovação, uma infraestrutura precária que onera as operações logísticas e, também, o despreparo de muitos empreendedores em relação à gestão do negócio e das suas equipes. Assim, fica evidente que empreender exige preparo.

Controlar o fluxo de caixa, criar e monitorar indicadores financeiros, negociar com fornecedores e parceiros, analisar o mercado, fechar contratos, prospectar e fidelizar clientes, otimizar processos, reduzir custos de forma inteligente, desenvolver estratégias de marketing, construir equipes de trabalho talentosas, competentes e motivadas… Essas são apenas algumas das atividades do empresário.

Por isso, a formação empreendedora e a experiência são essenciais para um gerenciamento eficaz, enxuto e criativo. Saiba mais sobre esse assunto a seguir:

O perfil empreendedor

O empreendedor bem-sucedido reúne algumas características marcantes, como:

  • disciplina;

  • foco;

  • resiliência;

  • e firmeza de propósito.

Essas características podem ser natas ou desenvolvidas gradualmente, por meio de estudos, treinamentos e do coaching, por exemplo.

Mas os empreendedores mais eficientes sabem maximizar essas qualidades e, ao longo do tempo, aprendem a explorar corretamente todo o seu potencial. Em outras palavras, esse perfil vai sendo lapidado com as vivências, conquistas, tentativas e em especial, por meio do conhecimento técnico e gerencial.

Em diversas situações, o comportamento empreendedor é considerado o principal fator gerador de problemas, e esse comportamento está totalmente relacionado ao desenvolvimento de habilidades administrativas e comportamentais.

Tratando especificamente das habilidades emocionais, é possível ressaltar a importância do autoconhecimento. Somente quando o empreendedor percebe seus talentos, motivações, preferências, fortalezas e fraquezas, ele se torna capaz de definir ações, metas e prazos para corrigir as suas deficiências e, assim, evoluir como profissional e gestor.

Paralelamente, outras competências são trabalhadas, como a capacidade psicológica de assumir riscos calculados, o autocontrole, a paciência, o domínio sobre sua força mental e a eficiência para lidar com imprevistos e adversidades.

Vale lembrar também que esse perfil empreendedor não serve apenas para aqueles que pretendem abrir um negócio próprio, já que muitas empresas buscam exatamente essas características em seus times. O chamado “empreendedorismo organizacional” é um diferencial, pois esse profissional é mais engajado e colabora ativamente para o crescimento da operação. Ou seja, também existem várias opções para uma trajetória vitoriosa dentro do universo corporativo.

A visão e a atitude empreendedora

A visão empreendedora pode ser entendida como um conjunto de habilidades que todo profissional pode desenvolver. São algumas destas aptidões:

  • observar constantemente o mercado;

  • manter-se informado sobre variáveis internas e externas;

  • estimular o pensamento criativo e inventivo;

  • pesquisar tendências;

  • e identificar novos nichos, demandas e oportunidades.

Além disso, é preciso praticar também a atitude empreendedora, que depende muito do poder de realização — e que, por sua vez, está vinculado à capacidade de planejamento, à organização, à proatividade e à autoconfiança.

Questionar, avaliar, arriscar e procurar soluções são posturas típicas de um empreendedor. Nesse caso, a capacitação deve servir como sustentação, garantindo o conhecimento necessário para que essas análises sejam sólidas e possam gerar condições favoráveis para o crescimento da PME.

Um profissional com visão e atitude empreendedoras mantém o foco nos resultados, é curioso e inquieto, busca novos desafios, tem potencial de liderança, sabe ser flexível e adaptável, gerencia o tempo com eficiência, investe no aprendizado contínuo e, claro, tem um planejamento de carreira.

A rede de contatos

A visão empreendedora pode ser fortalecida e aperfeiçoada por meio de uma boa rede de contatos. Por isso, é importante participar de eventos, feiras, congressos e seminários relacionados ao segmento do negócio, com a finalidade de conhecer novos parceiros, fornecedores e clientes.

Além disso, é possível utilizar as redes sociais para reforçar o networking e divulgar a empresa. Aliás, os empreendedores sabem aplicar muito bem os conceitos de marketing pessoal. Persuasão, influência, colaboração, inovação e capacidade de estabelecer relacionamentos produtivos são habilidades bastante exigidas pelo mercado.

Da mesma forma, a construção de uma rede de contatos ajuda também na própria formação empreendedora, pois um dos elementos básicos dessa formação é a troca de experiências, conhecimento e informações entre os empresários. Casos reais e histórias de sucesso devem ser estudados, já que podem servir como fonte de inspiração para novas ideias.

A formação empreendedora

A formação empreendedora é essencial para preparar o profissional do futuro. De fato, o empreendedorismo é um fenômeno caracterizado pela atuação de indivíduos que destinam recursos e competências para explorar oportunidades existentes no mercado e, dessa forma, geram novos negócios, produtos, serviços, processos, tecnologias e oportunidades de emprego e renda.

Para tanto, a gestão empresarial deve estar baseada no conhecimento técnico e a formação gerencial do empreendedor, que precisa ser capaz de coordenar elementos indispensáveis a uma empresa, como:

  • planejamento;

  • finanças;

  • compras;

  • vendas;

  • produção;

  • desenvolvimento de novos produtos e serviços;

  • e, ainda, administrar o capital humano.

Porém, é preciso cuidar também do aperfeiçoamento de competências comportamentais, como o equilíbrio emocional, a argumentação, a negociação, a empatia e o poder de decisão. Essas habilidades empreendedoras são essenciais para suportar as pressões do cotidiano, encontrar oportunidades de crescimento, constituir parcerias, além de motivar e engajar os colaboradores.

Essa capacitação gerencial e técnica, diminui a incidência de erros. Por isso, já existem diversos cursos de formação e de qualificação para pequenos e médios empresários. Universidades renomadas, consultorias empresariais e até entidades de classe oferecem graduações, pós-graduações, cursos continuados ou pontuais, para as PMEs interessadas.

Boa parte destes cursos abrange temas importantes, como elaboração do plano de negócio, realização de pesquisas de mercado, planejamento financeiro, atendimento ao cliente, composição de preços, táticas de publicidade, gestão de pessoas e visão estratégia.

Dessa forma, o empreendedor se transforma em um gestor completo, capaz de administrar sua própria empresa com competência. Assim, é mais fácil conquistar os resultados esperados, superar os momentos de crise, vencer a concorrência e expandir os negócios.

Quer investir em uma formação empreendedora, com foco nas necessidades do mercado? Conheça a Una e estude no Melhor Centro Universitário Privado de Minas Gerais!

Deixar um comentário