Vida universitária

Como fazer um planejamento financeiro anual?

como-fazer-um-planejamento-financeiro-anual.jpeg
Escrito por Ânima Educação

Muitos brasileiros apresentam problemas para lidar com as finanças pessoais. Alguns, apesar de não apresentarem dívidas, não realizam investimentos ou pensam no longo prazo, o que representa uma ameaça para o futuro. Por outro lado, existem também aqueles que não conseguem se livrar das dívidas e deixam a bola de neve ficar cada vez maior.

Para se ter uma ideia, uma pesquisa recente realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) relevou que 85% da população faz compras sem qualquer planejamento e 74% não possui nenhum tipo de investimento fixo. O resultado, infelizmente, nós já conhecemos: famílias endividadas ou que enfrentarão problemas para lidar com o futuro.

Para você não engrossar essas tristes estatísticas, é preciso focar e planejar bastante a sua vida financeira. Sim; o planejamento financeiro anual deve estar entranhado na cultura familiar e isso é válido não só para controlar o orçamento, mas, principalmente, para começar a realizar os investimentos para um futuro próspero!

Neste post vamos te dar um verdadeiro passo a passo com tudo o que você precisa saber para realizar um excelente planejamento! Confira:

Comece com o fluxo de caixa

Em primeiro lugar, você precisa realizar um fluxo de caixa para acompanhar todas as movimentações financeiras da família. Basicamente, o fluxo de caixa é uma ferramenta que tem como objetivo o controle de todas as receitas e despesas realizadas, e possui a periodicidade que o usuário desejar. Claro que, para as finanças pessoais, o mais interessante é realizar um monitoramento mensal.

Em primeiro lugar, devemos agrupar todas as receitas da família. Nesse aspecto, entram o salário, o pró-labore, rendimentos de investimento e até a venda de ativos, como, por exemplo, um carro ou até mesmo uma televisão. Depois, devemos agrupar as despesas, como os gastos com alimentação, transporte e moradia.

Para fazer um monitoramento eficaz dos fluxos de caixa, no entanto, é preciso fazer um detalhamento de cada uma das receitas e despesas por meio de grandes centros. Vamos conferir?

Separe as receitas e custos em centros

Como vimos, o detalhamento dos fluxos de caixa é uma das principais estratégias para garantir um bom controle financeiro. No caso das receitas, normalmente é muito fácil dividir os centros. Uma boa sugestão é dividir nas categorias investimentos, salário e outros. Vamos conferir cada um deles?

  • Investimentos: na “aba” investimentos deve ser apresentado todo o capital aplicado. Separe os investimentos por tipos e depois por instituições;

  • Salário: sim; é o rendimento mensal do trabalhador, mas também pode ser o pró-labore se você é sócio remunerado de alguma empresa;

  • Outros: entram as outras entradas não usuais, como, por exemplo, a venda de ativos.

Além dos centros de receitas, também precisamos dividir as despesas em grandes centros. Assim, é possível possuir um detalhamento muito maior e descobrir para onde o dinheiro está “escoando”. Com isso, você pode cortar gastos com muito mais facilidade, trabalhando o dinheiro de maneira muito mais consciente. Nesse caso, recomendamos que se criem as seguintes categorias:

  • Alimentação: o nome é autoexplicativo. Aqui entram quaisquer gastos com alimentação, incluindo restaurantes e lanchonetes;

  • Transporte: passagem de ônibus; gasolina; manutenção do carro. Enfim, nessa “aba” precisa entrar tudo o que se relaciona com transporte;

  • Moradia: produtos de limpeza; luz; internet. Todos os gastos com a manutenção do lar;

  • Lazer: por fim, temos os gastos com lazer, como cinema, exposição, entre outros.

Realize projeções financeiras

O grande benefício do controle mensal dos fluxos de caixa é que, a partir de determinado ponto, o usuário consegue ter uma visão completa da sua situação financeira. Ele sabe, de maneira aproximada, quais serão os gastos que terá por mês e também conhecerá as receitas, o que é excelente para fazer um monitoramento efetivo.

É a partir desse amadurecimento que finalmente é possível realizar as projeções. Se você sabe exatamente quanto dinheiro sobra por mês, com base no seu histórico dos meses anteriores, pode dar uma destinação mais proveitosa para os recursos. Será que é uma boa ideia juntar para realizar uma viagem? Apostar nos estudos? Ou, quem sabe, dar início a um novo investimento?

Com isso, é possível começar a realizar um planejamento financeiro anual efetivo, pois as projeções ajudam a estipular metas, o que é essencial para a conclusão dos objetivos familiares.

Conheça o seu perfil de investidor

Investir é preciso. Essa é uma máxima que deve estar sempre presente no pensamento de quem sonha com uma situação financeira positiva. Como vimos, são poucos os brasileiros que realizam investimentos e, por isso, muitos se encontram em uma situação delicada, pois desconsideram completamente o futuro.

Claro que, para investir com precisão, é preciso conhecer o seu perfil de investidor. Basicamente, o mercado reconhece três tipos de investidores e para cada um deles existem aplicações específicas que podem gerar os resultados esperados. Vamos conhecer cada um deles?

  • Conservador: esse tipo de investidor é um verdadeiro poupador, na verdade. Prefere rendimentos fixos e, em alguns casos, aplica todo o capital na caderneta de poupança — o que não é recomendado. Normalmente, o conservador possui família e o rendimento do final do mês não é o suficiente para grandes investimentos;

  • Moderado: por outro lado, o investidor moderado procura diversificar, mas sem correr muitos riscos. Aplica em tesouro direto, LCI, entre outros, sempre buscam otimizar o seu capital com os investimentos de renda fixa. Também possui família, mas os rendimentos permitem aplicações maiores;

  • Arrojado: Por fim, o investidor arrojado é aquele que topa qualquer risco desde que a remuneração sobre o capital seja alta. Claro que as ações são as aplicações favoritas desse tipo de investidor. Normalmente é solteiro e possui grandes ambições para o futuro.

Conte com o suporte da tecnologia

Por fim, é importante destacarmos que, hoje, existe uma infinidade de softwares e aplicativos destinados exclusivamente ao controle financeiro da família. Com eles, é possível monitorar todas as movimentações de caixa, os investimentos, entre outros, com todos os detalhes. O melhor de tudo é que esse tipo de controle pode ser feito em tempo real e atualizado de qualquer lugar.

Portanto, procure alguma ferramenta para ajudá-lo com o planejamento financeiro anual. Dessa forma, além de ser muito mais estimulante fazer o controle, você também garante uma redução nos erros cometidos durante o processo.

Gostou das nossas dicas de hoje? Então que tal acompanhar muito mais nas nossas redes sociais?

Deixar um comentário