Vida universitária

Alfabetização de crianças especiais: como se qualificar?

alfabetizacao-de-criancas-especiais-como-se-qualificar.jpeg
Escrito por Ânima Educação

A influência da escola na alfabetização de crianças especiais é um fator importante que deve ser considerado por pais e profissionais da educação. Pois, o ambiente escolar é o local de formação destes indivíduos. É onde eles são preparados para lidar com pessoas e situações em diferentes contextos.

E quando se trata de crianças especiais a escola ganha um papel ainda mais fundamental,  contribuindo para a integração desses meninos e meninas no convívio social, acima de  suas dificuldades pessoais.

Os pais de crianças com necessidades especiais se deparam com desafios para conseguir matricular seus filhos em escolas de ensino regular. Falta de vagas e estrutura inadequada estão entre os principais problemas. A partir disso, alguns pontos devem ser considerados no que diz respeito desse tema.

Educação Inclusiva

A Lei Federal 12.796/2013, que atualizou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB/96), é uma das ferramentas para ajudar solucionar o problema da falta de estrutura nas escolas. Ela exige que, até 2016, as escolas municipais ofertem um número maior de vagas e estabeleçam uma estrutura adequada para receber estas crianças desde a pré-escola.

São diversas as adaptações necessárias para que as escolas possam prestar uma educação inclusiva de qualidade. Dentre elas, a presença de profissionais capacitados para ensinar e lidar com as crianças. Entretanto, a oferta de tais profissionais ainda é pequena quando se trata da alfabetização de crianças especiais, principalmente no que se diz sobre cidades afastadas dos grandes centros urbanos.

Isso dificulta o aumento de oferta de vagas para estas crianças, que acabam ficando centralizadas em determinadas cidades. Para tentar driblar esta dificuldade, alguns pais criaram páginas na internet que fornecem informações sobre escolas capacitadas para a alfabetização de crianças especiais.

Nesses fóruns, eles trocam experiências sobre todo o processo de matrícula do aluno, facilitando a distribuição de informações para aqueles que não tiverem acesso. E também conversam sobre os métodos de ensino e a qualidade da estrutura fornecida nas escolas, informações importantes para a garantia de um ensino inclusivo de qualidade.

Métodos utilizados

Não basta que a escola ofereça vagas específicas para alunos com necessidades especiais. Como falado anteriormente, é necessário que ela tenha a estrutura adequada para fornecer uma educação de qualidade a estes indivíduos.

Uma das ações necessárias para garantir a qualidade de ensino é a criação de projeto pedagógico inclusivo. Por meio dele, os professores e demais funcionários poderão se  guiar, durante todo o processo educacional dessas crianças e jovens. O que irá contribuir para definir quais as alterações e atividades a serem realizadas para que o ambiente escolar inclua estas crianças.

Alguns métodos são utilizados de forma a adaptar as atividades da sala de aula para atender a alfabetização de crianças especiais. Transformar alguns textos em imagens, para que a criança possa relacionar a palavra ao objeto. Utilizar brincadeiras como maneiras de facilitar o aprendizado da crianças. São algumas atitudes que podem transformar o ambiente escolar em um lugar para todos.

Outro exemplo de ação que torna o ambiente escolar mais acessível é a presença de monitores preparados para lidar com esses alunos. Assim, eles recebem o apoio quando necessário dentro e fora da sala de aula, não sendo deixados de lado em atividades que muitas vezes não conseguem realizar sozinhos.

Rede de apoio

Para que o profissional da educação consiga colocar em prática todas as ações de ensino necessárias, ele precisa de uma rede de apoio. Nela estão inclusos a escola, profissionais da educação e os familiares das crianças. Essa rede será a grande responsável para que todos os métodos utilizados em sala de aula sejam possíveis e tenha os resultados esperados.

O papel da escola na rede de apoio vai ser o de oferecer a estrutura física e pessoal que estas crianças precisam para desenvolver. Já os familiares são os responsáveis por dar continuidade ao trabalho dos professores em casa, pois muitas das atividades realizadas no ambiente escolar têm continuidade no dia a dia da criança.

Cabe, então, aos professores orientarem esses familiares quanto a importância de dar continuidade aos métodos de aprendizados no dia a dia da criança. Pois, assim ela será capaz de familiarizar melhor com as atividades realizadas em sala de aula, já que são coisas às quais ela tem costume de fazer no seu cotidiano

É o professor o responsável por estabelecer essa rede de apoio para alfabetização da criança especias. E isso reforça ainda mais a importância da presença de profissionais capacitados para exercerem essas atividades e oferecerem o apoio adequado a todos os envolvidos.

Qualificação

Atualmente, existem vários cursos presenciais e a distância que permitem a qualificação dos profissionais em educação inclusiva. Eles ensinam formas de adaptar os métodos tradicionais de ensino, com o objetivo de incluir as crianças nas atividades em sala e, ao mesmo tempo, facilitar o seu aprendizado por meio de técnicas personalizadas.

Nas especializações, os profissionais na educação aprendem também a atender as individualidades de cada criança. Colocam em prática métodos de ensinos personalizados e inclusivos, voltados para atender a necessidade de cada indivíduo. Não excluindo nenhuma criança das atividades e do ambiente escolar, uma das principais diretrizes da educação inclusiva.

A partir dessa nova perspectiva, o educador irá rever seus métodos de ensino e formas de repassar o conteúdo. E também irá passar a reconhecer as individualidades de cada aluno, partindo de um enfoque mais interativo e que leva em conta as dificuldade de aprendizado de cada indivíduo.

É também através da qualificação profissional, que estes educadores poderão entender as crianças especiais de modo mais aprofundado, que vai além dos olhos de um adulto. Com isso, aprendem também informações sobre as possíveis deficiências e dificuldades de cada criança. O que ajuda na desconstrução de preconceitos e informações incorretas sobre diversas doenças, que estão enraizadas no meio comum.

Além disso, a presença de professores capacitados na alfabetização de crianças especiais garante que estas possam dar continuidade ao seu ensino conforme o seu desenvolvimento. Sem precisar interromper as suas atividades de acordo com o nível acadêmica, já que ela será capaz de acompanhar seus companheiros de sala através de atividades personalizadas.

Ainda tem dúvidas? Deixe um comentário!

Deixar um comentário