Empreendedorismo

6 aparelhos tecnológicos criados por jovens inventores

6-aparelhos-tecnologicos-criados-por-jovens-inventores.jpeg
Escrito por Ânima Educação

As escolas e ambientes universitários são ideais para pessoas que buscam contato direto com assuntos na área da tecnologia e inovação. Felizmente, o que para muitos estudantes é apenas um teste ou experimento, pode acabar se tornando uma grande conquista para a sociedade. 

Se você faz parte da turma dos criativos e ávidos por respostas, nunca deixe de lado a busca pelo novo. Para inspirá-lo, trouxemos neste post 6 aparelhos tecnológicos criados por jovens inventores que merecem atenção!

1. Aparelho dental

Preocupado com o alto preço dos tratamentos dentários, o jovem Amos Dudley, de 23 anos, desenvolveu seu próprio aparelho dental com a ajuda de uma impressora 3D. Após pesquisar sobre o assunto na internet, Dudley percebeu que a execução dos moldes para o tratamento não era tão complicada.

A partir do uso de fórmulas para calcular o alinhamento dos dentes, o estudante conseguiu criar 12 aparelhos dentários com apenas 60 dólares, o que representa um preço muito mais acessível se comparado a um tratamento tradicional. Incrivelmente, Dudley é aluno do curso de design digital do Instituto de Tecnologia de New Jersey, nos EUA.

2. Conscitec

Os brasileiros Fernando Duarte, Gabriel França, Jonathan Willian, Lucas Dantas e Felipe Lucarini são estudantes de eletroeletrônica da ETEC de Pirituba – SP e, juntos, criaram um projeto de conclusão de curso bastante inovador: um dispositivo para identificação e controle de acesso das vagas de estacionamento para pessoas com deficiência.

Batizado de Conscitec, ou “Sem parar dos portadores de deficiência”, o dispositivo funcionará por meio de um cadastro de veículos que será mantido em um sistema. Nesse caso, todo proprietário de carro que não tiver a autorização cadastrada será alertado sobre a ocupação indevida da vaga. Ainda em fase de testes, o projeto tem como objetivo conscientizar a população e contribuir com a gestão pública das cidades.

3. Extintor portátil

Seth Robertson e Viet Tran são estudantes de engenharia da George Mason University e encontraram uma forma bastante interessante de conter incêndios: com o poder do som. Isso mesmo! Neste projeto, a ideia dos jovens inventores é utilizar ondas sonoras de baixa frequência (30 a 60 hertz) para agitar o ar que fica em torno das chamas e fazer com que essas apaguem por completo.

Os testes já foram feitos com pequenas amostras de chamas, mas não impedem uma evolução da ideia. No futuro, por exemplo, o extintor portátil poderia ser acionado nas casas a partir do toque de uma música específica. Já em uma floresta ou grande área urbana, a solução poderia ter o apoio de drones para combater o fogo a longas distâncias enquanto executa uma música ou som programado.

4. Quarto automatizado

Esse item não representa um aparelho específico, mas conta com vários aparatos tecnológicos para colocar em prática a ideia do autor. Idealizado por Derek, um estudante da Universidade de Berkeley, na Califórnia, o quarto automatizado tem como objetivo melhorar a experiência de uso de um cômodo tão íntimo e particular.

Batizado de BRAD (Berkeley Ridiculously Automated Dorm), o quarto automatizado permite ao usuário exercer funções básicas com o mínimo de esforço. Ou seja, é possível apagar a luz, controlar a luminosidade de lâmpadas ou até abrir cortinas a partir do acionamento de comandos específicos.

Para automatizar o ambiente, o estudante utilizou gadgets (PC, smartphone, tablet) com aplicativos e comandos de voz para programar as funções. Entre os destaques está o “Modo Sono”, que fecha as cortinas e apaga as luzes para manter o quarto escuro e confortável para a soneca. Ainda existem os modos “Festa”, “Lição de casa” e “Romântico”, todos com características que variam conforme a atividade desejada. 

5. Suporte de peso corporal

O suporte de peso corporal é um protótipo desenvolvido pela parceria entre estudantes dos cursos de engenharia e fisioterapia da Universidade de Santa Cecília, Santos – SP. Sua função é ajudar no processo de reabilitação de pessoas com dificuldades de locomoção, bem como contribuir com o papel social da universidade.

Em um primeiro momento, o equipamento passou a ser utilizado somente na clínica de fisioterapia da instituição, auxiliando o apoio e tratamento de pacientes com paralisia cerebral, traumatismo craniano, lesões na medula e membros amputados.

Como o próprio nome indica, o suporte é composto por um guincho que garante o sustento do paciente juntamente com um cinto de segurança. Para facilitar a realização de movimentos, o aparelho ainda é composto por rodas que permitem ao usuário treinar seus primeiros passos. O suporte para o braço também é ajustável e oferece conforto para pessoas com diferentes tamanhos e posições.

6. Xenoscópio 

John Langell é o cirurgião responsável pelo Centro para Inovação Médica da Universidade de Utah e teve uma ideia inovadora com a ajuda de seus alunos. Tudo começou em uma bela noite, quando foi chamado para atender uma emergência. Ainda no quarto, Langell resolveu utilizar a luz do próprio iPhone para procurar suas roupas e não incomodar sua mulher, que estava dormindo.

Nesse momento, o cirurgião olhou para a luz emitida pelo aparelho e pensou que era tão forte e eficiente quanto a luz de um laparoscópio. Para quem não sabe, laparoscópio é um tubo fino com uma câmera na extremidade, utilizado por médicos nas cirurgias com pequenas perfurações. Como esse instrumento tradicional da medicina custa muito caro, o professor Langell e seus alunos resolveram criar um modelo mais acessível.

Batizado de Xenoscópio, o modelo alternativo custa aproximadamente 85 dólares para ser produzido. Em vez de utilizar telas enormes para mostrar a cirurgia, o Xenoscópio reproduz as imagens em pequenos dispositivos (laptop ou smartphone) e pode ser rapidamente substituído por outro modelo em situação de mau funcionamento.

Além da economia com equipamentos e energia, essa solução pode fazer com que, futuramente, as cirurgias sejam realizadas mesmo fora dos hospitais. Para a população, o benefício da proposta viria na forma de tratamentos mais baratos e pouco invasivos.

Viu só como jovens inventores também conseguem grandes feitos? Com uma pitada de ousadia e criatividade, é possível ter destaque e ainda contribuir para que as instituições sejam cada vez mais reconhecidas como fontes de ideias inovadoras.

E você, conhece outras criações de autoria de estudantes que mereciam entrar nessa lista? Deixe um comentário no post com sugestões!

Deixar um comentário